Categoria: Estudos Sobre Emagrecimento

O emagrecimento foi e tem sido objeto de estudos e pesquisas ao longo dos tempos. O que é muito importante para que dietas e exercícios sejam aprimorados. Esta é uma seção reservada para divulgar estudos e pesquisas referentes à perda de peso.

Use A Leptina A Favor Do Seu Emagrecimento

Use A Leptina A Favor Do Seu Emagrecimento

A leptina é popularmente conhecida como o hormônio responsável pela saciedade. Muito semelhante aos da família das citocinas por conta de sua estrutura, ela é produzida por nosso tecido adiposo, e sua concentração varia de acordo com a quantidade das células de gordura que possuímos.

O hormônio é o responsável por informar ao nosso cérebro a quantidade de energia que temos, pela saciedade e também por enviar ao órgão o quanto de gordura nosso organismo precisa acumular.

Exatamente por isso, muitos especialistas costumam chamar a leptina de o “hormônio medidor do combustível”. Os cientistas ainda não sabem direito como este hormônio funciona, mas acredita-se que ele seja responsável por criar um ponto de referência que permite que a gente sempre se mantenha no peso, mas nem sempre esse peso é o nosso peso ideal.

Hormônio da saciedade

E essa teoria a respeito da leptina é o que leva muitos especialistas a creem que ela seja a responsável por fazer com que nosso corpo volte sempre a ter o peso anterior, e por isso, voltamos a ganhar peso, mesmo depois de alguns sacrifícios.

A Ciência Sobre A Leptina

Mesmo com a teoria dita acima, alguns estudos mostram que é possível sim usar a leptina como auxiliar no emagrecimento. O Centro Médico da Universidade Columbia, conduziu um estudo no qual se constatou que pessoas que estão eliminando peso tem, na verdade, uma quantidade de leptina decrescente.

Os cientistas ainda constataram que quanto menor a quantidade de leptina no nosso corpo, mais a atividade de importantes áreas do nosso cérebro são estimuladas, e maior é a atração visual que temos pela comida. O que revela que a vontade de comer algo gorduroso ou cheio de açúcar é ainda maior.

Veja também: Grelina, O Hormônio Da Fome?

Emagreça usando a leptina ao seu favor

É importante que você tenha em mente que a leptina pode ser sua amiga na luta contra a balança, mas para isso é preciso que você mantenha sua perda de peso controlada. Isso significa que quanto mais peso você perder rapidamente, maior será a chance de diminuir os níveis de leptina, e isso pode prejudicar seu emagrecimento.

O primeiro passo é diminuir o ritmo com que você perde peso. Alguns especialistas afirmam que o ideal é não passar de 2 quilos por mês, já que assim a distensão dos níveis de leptina será menor e o seu emagrecimento se tornará mais eficiente, diminuindo assim as chances de você ganhar novamente todo o peso que perdeu.

O problema é que pessoas que estão muito acima do peso desenvolvem uma resistência à leptina (exatamente como acontece com a insulina) e isso faz com que o cérebro não receba o aviso de que a pessoa já está saciada, fazendo assim com que a fome fique constante.

Nesses casos, o ideal é que por pelo menos duas semanas a ingestão de carboidratos seja reduzida, e a de proteínas (principalmente as magras) seja elavada, assim como o consumo de gordura poliinsaturada e monoinsaturada faz com que os níveis de leptina se regularizem e o seu corpo entenda que você já está saciada ao comer.

A vitamina D3 é responsável por aumentar a quantidade do hormônio leptina, responsável pela sensação de saciedade.

Veja também: Alimentos Que Saciam Indicados Por Nutróloga

Descobertas a respeito da leptina

Até pouco tempo acreditava-se que a leptina era responsável apenas por transmitir informações aos neurônios, mas alguns estudos já mostram que esse hormônio é capaz também de realizar o controle comportamental de outras células, como os astrócitos.

Outros estudos também mostraram que a leptina é capaz de reverter alguns casos de hipoglicemia. A pesquisa foi realizada pela Universidade de Yale e mostrou que esse hormônio é capaz de ajudar pessoas portadoras da Diabetes do tipo 1 e também do tipo 2.

Os especialistas observaram que ratos em jejum que receberam o hormônio tiveram uma redução de insulina e, consequentemente, os níveis de leptina controlados são também os responsáveis pela concentração menor de glicose no plasma.

Aspirina Poderia Reduzir O Risco De Câncer

Aspirina Poderia Reduzir O Risco De Câncer

Um experimento randomizado controlado, revelou que uma dose regular de aspirina poderia reverter o aumento do risco de câncer em pessoas acima do peso.

Os pesquisadores avaliaram os efeitos da droga durante um estudo com duração de 10 anos, e a observação de 937 pessoas com a síndrome de Lynch – uma doença genética que aumenta o risco de câncer, particularmente o câncer de cólon e câncer de útero.

Entre esses pacientes, os pesquisadores descobriram que o excesso de peso mais do que dobrou o risco de câncer de cólon, também conhecido como câncer de intestino, mas que poderia ser revertido com o uso da aspirina.

Estudo Sobre O Uso Da Aspirina

O estudo foi publicado no Journal of Clinical Oncology, e financiado pelo Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido, Cancer Research UK, Bayer Pharma, na União Européia.

Estudo sobre a aspirina

Mais de 43 centros em 16 países examinaram o progresso dos participantes com síndrome de Lynch, que foram aleatoriamente designados a tomar duas aspirinas (600 mg) por dia, durante o período de 2 anos.

Os participantes foram avaliados por um período total de 10 anos. Das 937 pessoas, 55 desenvolveram câncer de cólon. Os pesquisadores descobriram que os participantes obesos tinham 2,75 vezes mais chances de desenvolver esse tipo de câncer do que os participantes com peso normal.

No entanto, entre os participantes que tomavam as aspirinas diariamente, o risco de câncer de cólon era o mesmo entre os participantes que eram ou não obesos.

Cada unidade do índice de massa corporal (IMC) acima do que é considerado saudável, aumenta o risco de câncer de cólon em 7%.

O risco associado à obesidade era duas vezes maior entre as pessoas com Síndrome de Lynch do que para a população em geral.

Os pesquisadores acreditam que a aspirina pode afetar as células que estão predispostas a se tornarem cancerosas ao longo do tempo no caso de pessoas com sobrepeso.

Outra possibilidade observada foi que a aspirina suprime a resposta inflamatória que é aumentada pela obesidade. Há cada vez mais evidências que sugerem que um aumento do processo inflamatório esteja ligado a um risco aumentado de câncer.

Os pesquisadores acreditam que mais pesquisas precisam ser realizadas para haver a confirmação destes resultados, e determinar o alcance exato da proteção prevista pela aspirina com relação ao IMC elevado.

Prof. Gravar diz que antes de alguém começar a tomar a aspirina regularmente, é preciso consultar o seu médico, visto que a aspirina pode causar uma série de problemas de estômago, como úlceras.

Os pesquisadores agora planejam realizar um estudo de seguimento maior, envolvendo 3.000 participantes de todo o mundo, para testar os efeitos de diferentes das doses de aspirina, e verificar se doses menores podem oferecer a mesma proteção.

Comer Andando Engorda?

Comer Andando Engorda?

Embora possa ser uma forma conveniente para conciliar o horário do almoço entre comer e fazer outras atividades em um horário de trabalho agitado, uma nova pesquisa publicada no Jornal de Psicologia da Saúde sugere que comer enquanto está em movimento pode levar ao ganho de peso e obesidade em pessoas que estão de dieta.

Veja também: Almoçar Mais Cedo Ajuda A Emagrecer?

Estudo Sobre A Distração Durante O Almoço

O estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade de Surrey, no Reino Unido, descobriu que comer durante uma caminhada pode fazer com que pessoas que estão de dieta acabem comendo demais nas refeições seguintes, provocando excessos maiores do que outras formas de distração provocariam, tais como ver televisão ou conversar com um amigo.

Estudo sobre comer andando

“Isso pode ocorrer porque a caminhada é uma forma poderosa de distração, que atrapalha a nossa capacidade de processar o impacto que a comida sendo ingerida tem sobre a nossa fome, reduzindo a sensação de saciedade”, sugere o autor principal Prof. Jane Ogden. “Ou pode ser porque andar, mesmo que apenas ao longo de um corredor, pode ser considerado como uma forma de exercício que justifica excessos mais tarde, como uma forma de recompensa.”

Veja também Alimentos Que Saciam Indicados Por Nutróloga.

Pesquisas anteriores sugeriram que a distração pode ter um impacto significativo no consumo de alimentos, com estudos que indicam que ver TV enquanto come pode aumentar a ingestão de comida, e conduzir a uma avaliação imprecisa da ingestão real, aumentando o risco de excessos subsequentes.

Estudos semelhantes também têm sugerido que os ambientes onde são feitas as refeições, e as interações sociais podem fornecer formas de distração que influenciam na quantidade de alimentos ingeridos durante uma refeição.

Como resultado, os autores escolheram explorar o futuro impacto sobre a ingestão de alimentos, utilizando uma dose fixa de alimentação durante um período de distração para os participantes do estudo.

Um total de 60 estudantes do sexo feminino foram divididas em duas categorias: as que estavam de dieta, e as que não estavam.

Comer em movimento engorda?As participantes foram aleatoriamente designadas a comer uma barra de cereal em três condições diferentes:

  • Um grupo deveria comer enquanto assista a um clipe na TV com duração de 5 minutos;
  • O outro grupo deveria comer ao caminhar por um corredor;
  • O terceiro e último grupo deveria comer, cada uma delas sentada, e conversando com um amigo.

Depois de comer a barra de cereal, as participantes completaram um breve questionário.

Foram apresentadas a elas tigelas com chocolate, cenouras cortadas em tiras, batatas fritas e uvas. As voluntárias foram então instruídas a avaliar os alimentos de acordo com o quanto gostaram de cada um deles, e então, comer o alimento escolhido.

Conclusão do estudo

A distração poderia interromper a associação entre alimentos e refeições. Os pesquisadores registraram a quantidade de comida que as participantes tinham consumido depois de terem participado do experimento.

As que estavam de dieta e comeram a barra de cereal ao andar pelo corredor, passaram a comer mais durante o segundo teste. Em particular, os pesquisadores descobriram que elas comeram cerca de cinco vezes mais chocolate do que as outras voluntárias.

Os pesquisadores afirmam que esta descoberta apóia a idéia de que os níveis mais altos de restrição alimentar pode tornar os indivíduos mais suscetíveis aos efeitos da distração.

Eles reconhecem, no entanto, que o teste de gosto estava muito perto no tempo para a intervenção da distração. Os pesquisadores sugerem que é necessária mais investigação para avaliar se a caminhada pode provocar excessos no longo prazo.

Porque A Distração Pode Afetar No Peso

Satisfação não é apenas o resultado do cérebro e reações químicas, mas a percepção que é influenciada pela aprendizagem, emoção e distração.

Se comemos caminhando ou na frente de um computador, vamos nos sentir menos cheios, visto que a nossa atenção é desviada para longe da refeição.

Embora tenham descoberto neste estudo que a caminhada possa ter maior impacto sobre o consumo de comida, qualquer forma de distração pode levar ao ganho de peso. Como resultado, tendo uma pausa adequada, ingerindo o almoço tranquilamente e sentado a uma mesa, faz com que os trabalhadores se sintam mais completos, e menos propensos a fazerem lanches com alimentos pouco saudáveis ​​e mais calóricos nas próximas refeições.

A Universidade de Surrey também realizou uma pequena investigação, na forma de questionário para demonstrar como os hábitos na hora do almoço podem ter um grande impacto sobre sua saúde.

Portanto, utilizar o horário do almoço para este fim como principal objetivo, ajuda e muito a evitar o excesso de peso, principalmente se você está de dieta.

Via Medical news today

Gula: Desligue-A Vendo TV

Gula: Desligue-A Vendo TV

Sabia que há uma forma de ver tv que ajuda a “desconectar” a gula. E não sou eu que estou dizendo… a informação é com base em um estudo da Universidade de Uppsala, na Suécia.

Os pesquisadores analisaram o comportamento de mulheres enquanto comiam e viam tv.

Gula

Eles puderam concluir que quanto mais envolvida com o que estava passando na tv a mulher estivesse, menor era o risco de ter um ataque de gula, e atacar a geladeira.

As participantes comeram 52% mais durante um programa avaliado como chato. A tendência foi escolher guloseimas em vez de alimentos saudáveis.

Essa é uma forma de aliviar o tédio sem saborear e ter prazer com o alimento. Além do mais, comer na frente da televisão faz com que o sinal de saciedade passe despercebido, diz a nutricionista Liane Schwarz Buchman, da clínica BodyHealth (São Paulo). E quanto menos saciado você estiver, maior será a fome ou a vontade de comer.

Mas muita gente não tem muito tempo livre, e acaba aliando a programação que gosta com a hora da refeição. Então, se comer na frente da telinha é inevitável para você, tente ao menos escolher um programa que realmente seja prazeroso de assistir, e evite que a gula te pegue.

Para os petiscos, prefira legumes em palitos, pipoca com baixo teor de gordura e biscoitos integrais, e não se esqueça de atentar-se ao tamanho da porção.

Fonte: Revista Boa Forma

Estudo Afirma Que Ser Pai Engorda

Estudo Afirma Que Ser Pai Engorda

Se você pensa que é só a vida da mulher que passa por uma série de transformações com a chegada dos filhos, saiba que os homens também tem sua fase de mudanças.

Um estudo realizado concluiu que os homens tendem a ganhar peso ao tornarem-se pais. Assim como outros estudos que já reveleram que eles também engordam com o casamento.

estudo sobre emagrecimento

A pesquisa também descobriu que novos pais têm um aumento nos sintomas de depressão nos primeiros anos após o nascimento do filho.

O Estudo

O estudo foi realizado por pesquisadores da Universidade de Northwestern, nos Estados Unidos, que na verdade objetivava simplesmente analisar a forma como a paternidade afeta o IMC, um marcador biológico importante para a saúde humana. Mas como consequência, foi também observado que ser pai aumenta o peso do indivíduo.

Ao longo da pesquisa, foram acompanhados mais de 10 mil homens, da adolescência até a idade adulta, durante um período de 20 anos.

Eles foram divididos em: não-pai, pai que mora com o(s) filho(s), e pai que não mora com os filhos.

Conclusão

A conclusão do estudo foi que, homens de 1,82 metros que mora com seu filho, ganhou em média 2 kg após a paternidade. O pai com a mesma altura, mas que não vive com o filho, ganhou cerca de 1,5 kg desde o nascimento da criança.

Esse é um aumento de 2,6% no índice de massa corporal (IMC) de pais residentes e um aumento de 2% no IMC de pais não residentes. Ao contrário dos pais, os homens sem filhos perderam 650 gramas no mesmo período.

Provavelmente outros fatores além do IMC poderíam contribuir para o ganho de peso, e então foram analisados também informações como a raça, idade, escolaridade, renda, atividade diária e estado civil.

Com a formação de uma família as responsabilidades mudam e aumentam, e pode ser natural uma mudança na alimentação nesta fase. O tempo para cuidar de si mesmo se torna mais escasso. Crianças adoram biscoitos, sorvetes, e guloseimas. E os adultos, no intuito de agradá-los, acabam se empanturrando de besteiras.

A pesquisa também descobriu que novos pais têm um aumento nos sintomas de depressão nos primeiros anos após o nascimento do filho.

Fonte: Exame

Estresse Engorda? Estudo Demonstra O Que Acontece

Estresse Engorda? Estudo Demonstra O Que Acontece

Um estudo realizado por cientistas da Universidade Estadual de Ohio (EUA) verificou se o estresse engorda no caso das mulheres.

Afinal, o número de mulheres com altos níveis de estresse é maior do que o de homens. Além disso, alterações hormonais, jornadas duplas (trabalho, casa), também podem contribuir para este quadro.

É bastante comum mulheres estressadas confessarem que o stress aumenta a vontade de comer, e muitas vezes ocasiona em ataques noturnos à geladeira, a procura principalmente de doces.

stress e o ganho de peso

Veja Também: Programa de Emagrecimento Corpo de 21 [para MULHERES]

Estudo Comprova Que Estresse Engorda

A pesquisa realizada por cientistas da Universidade Estadual de Ohio (EUA) observou 58 mulheres com idade média de 50 anos. Elas tiveram que responder a questionários e passaram por avaliações psicológicas.

A alimentação deveria ser rica em gorduras (930 calorias, 60 gramas de gordura).

Após, seriam medidos o metabolismo e os valores sanguíneos.

Conclusão

  • O estudo concluiu que as voluntárias que passaram por estresse no dia anterior àquela refeição queimaram cerca de 104 calorias a menos pelo período de sete horas após.
  • Os níveis de insulina destas mulheres que haviam passado pelo estresse atingiu picos bem altos. Com as mulheres que não passaram por nenhuma situação estressante, ocorreu o contrário, e os níveis de insulina caíram.
  • Já as participantes que apresentavam quadros de depressão, apresentaram o pico mais alto de triglicerídeos.

De acordo com o endocrinologista e nutrólogo Joffre Nogueira Filho, especialista em obesidade, o aumento da insulina no período de 7 horas após o estresse acarreta no armazenamento mais rápido dos alimentos ingeridos pelo organismo.

Além disso, a refeição foi controlada e padronizada, e os estudiosos acreditam que “na vida real”, a ingestão de calorias teria sido muito maior e de pior qualidade, resultando em um maior ganho de peso.

Com base nesta pesquisa, este tipo de experiência de estresse engorda, e acarretaria no ganho de 5kg ao longo de um ano, apenas devido ao stress.

Fonte Estadão

O Mito Do Café Da Manhã

O Mito Do Café Da Manhã

uitas vezes ouvimos que o café da manhã é a refeição mais importante do dia, já que ele tem o papel de impulsionar o metabolismo e regular o apetite.

Mas estudos recentes apontam para a possibilidade de que isso possa ser apenas o mito do café da manhã que emagrece. Na verdade, eles mostram que talvez o pensamento de que tomar café da manhã ajude a emagrecer seja um tanto exagerado.

Café da manhã

E se o café da manhã for realmente apenas outra refeição? E se pudermos pular ele de vez em quando sem que hajam desastrosas alterações na balança?

Veja quais foram os estudos que mostraram o lado “bom” e outros estudos que mostraram o outro lado da primeira refeição do dia no emagrecimento.

Estudos Sobre O Café Da Manhã

Um estudo de 2013, em fisiologia e comportamento, observou um grupo de 24 estudantes universitários, divididos:

  1. Uma pate deles foram instruídos a tomar café da manhã regularmente;
  2. O outro grupo foi instruído a pular o café da manhã.

Todos foram alimentados com um almoço em estilo buffet, sem limites. Embora os que pulavam o café da manhã relatarem estar com mais fome do que os demais, eles não ingeriam mais calorias para compensar e, de fato, acabavam consumindo cerca de 400 calorias a menos nos dias em que pulavam o café.

Um estudo recente da Universidade de Alabama em Birmingham (divulgação: David B. Allison, PhD, investigador do site Cooking Light) foi um passo além.

O estudo, publicado no American Journal of Clinical Nutrition, seguido de um grupo internacional de 309 participantes ao longo de quatro meses.

O que eles descobriram:

Que tomar café da manhã teve efeito nulo sobre o peso. “Café da manhã tem calorias, também”, diz Allison. “Comer as calorias é provável que irá ajudá-lo a perder ou ganhar peso somente se você comer menos (ou se movimentar mais) para compensar, e os dados atuais sugerem que não é o que acontece.”

Parte do raciocínio por trás da ilusão que afirma que tomar café da manhã ajuda na perda de peso tem sido a correlação que mostra que as pessoas que comem regularmente, tendem a ser mais magras do que aqueles que pulam esta refeição. O erro foi concluir que não pular a primeira refeição do dia resulte em menor peso corporal.

Independentemente de como isso muda a sua visão da importância do café da manhã, estes estudos pavimentam o caminho para um olhar mais a fundo de como funciona a refeição para os nossos corpos.

Há muito mais para ser estudado com relação ao assunto, e também a respeito de outras áreas em que a refeição pode afetar, como nos níveis de humor ou de concentração, por exemplo. E com certeza é possível afirmar que os níveis de energia mais baixos poderiam trazer uma menor probabilidade de acertar o almoço mais tarde.

Dicas

De qualquer forma, isso também não significa que você precise necessariamente pular o café da manhã. A maioria dos nutricionistas concordam que esta refeição nutritiva, com grãos integrais e um pouco de gordura saudável pode ser o caminho certo para começar o dia.

Outra dica? Faça um lanche saudável e deixe ele disponível caso a fome bater.

Como em muitas coisas relacionadas à dieta, você tem que encontrar o que funciona para você. Mas fique tranquilo: Enquanto saltar o café da manhã pode levar a um estômago resmungando, isso provavelmente não será um fator determinante para o sucesso ou insucesso da dieta.

Estudos Que Mostram O Contrário

Apesar dos estudos citados acima, em 2012 foi realizado um estudo pela Dra. Jakubowicz, onde foram observados 195 homens e mulheres com excesso de peso, e a partir da qual foi criada a dieta do café da manhã.

Após 4 meses seguindo a dieta, estes voluntários ficaram menos propensos a reganhar peso, ou terem mais fome e compulsão por comida.

Um outro estudo realizado em 2013 mostrou que pessoas que fazem uma refeição maior no café podem ficar também menos propensas a ter doença cardíaca, diabetes e colesterol alto.

Agora que você já sabe os “dois lados da moeda”, fica mais fácil decidir se continuará pulando o café ou não. Mas sem esquecer que o mais importante é a saúde.

Para saber quais são os melhores alimentos para a refeição “mais importante do dia”, veja os Top 18 Alimentos Para O Café Da Manhã.

Injeção De Urina Para Perder Peso?

Injeção De Urina Para Perder Peso?

Sim. O tratamento com injeção de urina seria uma grande promessa para quem pretende perder peso sem muito esforço, não houvessem tantas controvérsias e opiniões médicas contrárias. Este tipo de tratamento com urina já frequentemente utilizado por alergistas MD por ser de conteúdo alergênico, foi reinventado, mas ainda há controvérsias e experiências com resultados bem diferentes… Veja…

TratamentoComo Funciona O Tratamento

A injeção é formulada a partir de urina de mulheres grávidas, por conter o hormônio humano coriogonic gotrophin (HCG), que faz com que o cérebro crie a sensação de a pessoa estar passando por uma gestação, tornando assim o seu processo de metabolismo mais rápido, com maior queima de calorias. Além disso, essas injeções de urina têm de ser acompanhadas por uma dieta rigorosa e de baixa caloria.

Opiniões Médicas

As opiniões médicas em geral a respeito deste tratamento que utilizaria a injeção de urina para a perda de peso não são das melhores. A maioria deles acredita que o cérebro não produzirá os resultados desejados por si só, e que isso não pode substituir a forma mais saudável de emagrecimento que é a junção do exercício físico com a alimentação balanceada. E mais: para eles, tal tratamento seria apenas um placebo, ou seja, uma forma de desencadear reações psicológicas no pacientes através de uma substância neutra.

Experiências Reais

As pesquisas sobre o assunto não são (pelo menos ainda) muito avançadas, mas resolvemos citar dois exemplos de experiências com resultados opostos do tratamento com injeção de urina:

  • Uma americana chamada Sheryl Palone é uma adepta ao tratamento que afirma ter perdido 20 kg apenas aplicando as injeções.
  • Porém, em 2009 foi noticiada a morte de uma mulher boliviana após receber a injeção de urina como uma terapia de saúde.

Via Oddity Central

Dieta Que Aumenta Risco De Diabetes Gestacional

Dieta Que Aumenta Risco De Diabetes Gestacional

Diabetes
Um dos exames do pré-natal é o teste de diabetes

O risco de diabetes gestacional deve ser verificado logo no início da gravidez, e o teste está entre os exames requeridos no pré-natal pelo médico.

Os hormônios da gestação oferecem maior chance de desenvolvimento de diabetes, e por isso o termo diabetes gestacional.

Foi realizado então um estudo pelo National Institutes of Health da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, para avaliar o peso que uma dieta com alto consumo de gordura animal e colesterol pode ter sobre o risco de diabetes.

Os efeitos do diabetes gestacional podem ser graves tanto para a mãe quanto para o feto, e por isso é tão importante que este tipo de estudo seja feito e divulgado.

[Ler Também: Deixar De Comer Carne Pode Curar Diabetes?]

Estudo

Impacto De Gordura Animal E Colesterol No Diabetes Gestacional

A pesquisa foi realizada pelo National Institutes of Health (Instituto Nacional da Saúde) da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Foram avaliadas informações de mais de 13.000 mulheres, entre 22 e 45 anos, participantes do Nurses’ Health Study II (“Estudos de Enfermagem Sobre Saúde“).

A cada quatro anos era preenchida uma pesquisa bem abrangente sobre os alimentos e bebidas consumidos pelas mulheres da pesquisa. 6% delas tiveram diagnóstico de diabetes gestacional.

A partir das informações coletadas, foi calculado pelos pesquisadores a quantidade de gordura animal presente na dieta das mulheres participantes, de acordo com o total de calorias que elas ingeriam diariamente.

Após, estas mulheres foram divididas em cinco grupos baseados nessas porcentagens, e o risco de desenvolver diabetes foi comparado com a alimentação de cada um desses grupos.

Conclusão

A conclusão do estudo foi que, mulheres que mantinham uma alimentação mais rica em gordura animal, tiveram quase o dobro de risco de diabetes gestacional do que as que consumiam menos destes alimentos.

Também foi observado que uma dieta mais rica em colesterol oferece 45% mais chances de desenvolver a doença, se comparado às mulheres que consumiam menor quantidade deste tipo de alimento.

Mesmo mantendo uma rotina de exercícios físicos, o risco não foi reduzido em ambos os casos. Ou seja, mesmo praticando atividades físicas regularmente, o risco de diabetes não seria menor se houvesse alto consumo de colesterol e alimentos ricos em gordura animal.

Diabetes Gestacional

Um dos exames do pré-natal é o teste para medir a quantidade de açúcar no sangue em jejum. Resultados normais mostram menos de 85 mg/dL. Se o resultado acusar entre 85 e 125 mg/dL, será preciso realizar um outro teste: de tolerância à glicose.  Resultados que mostram 126 mg/dL ou mais, acusam o diabetes gestacional.

Cerca de 18% das mulheres grávidas são diagnosticadas com diabetes durante a gestação, segundo um estudo americano publicado em 2008 no The New England Journal of Medicine.

O diabetes ocorre quando o pâncreas – órgão responsável pela produção de insulina – não é capaz de cumprir sua tarefa de metabolizar quantidade suficiente de açúcar circulante no sangue.

As consequências podem ser graves tanto para a mãe quanto para o feto.

Observação:

O Consenso Brasileiro de Diabetes Gestacional determina que o índice glicêmico maior que 85 mg/dL já é indicativo de diabetes.

Referência Minha Vida

Segue A Dieta Vegetariana? Então Leia Isto!

Segue A Dieta Vegetariana? Então Leia Isto!

Você sabia que quem segue uma dieta vegetariana tem risco 22% menor de desenvolver câncer de cólon do que aqueles que comem carne?

Mas você também sabia que esse risco pode ser reduzido mais ainda se peixes forem adicionados à dieta vegetariana? Entenda…

[Leia Mais: Dieta Vegetariana]

Um Estudo Sobre A Dieta Vegetariana

Dieta Vegetariana

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Harvard (Estados Unidos), analisou os hábitos alimentares de mais de 70 mil pessoas, para verificar o risco de câncer de cólon entre pessoas que comem carne e os que seguem uma dieta vegetariana.

O estudo concluiu não só que os vegetarianos tiveram um risco 22% menor de desenvolver câncer de cólon em comparação com as pessoas que comem carne, mas também que tal risco cai para 43% menos chances de desenvolver este tipo de câncer caso peixes sejam adicionados à dieta à base de vegetais.

Além disso, os peixes contém ácidos graxos e ômega-3, poderosos anti-inflamatórios e fontes de vitamina D.

[Ler Também: Ômega 3 Emagrece? Estudos Comprovam]

Os pesquisadores ainda alertam os fãs de carne, e afirmam que quanto menor a quantidade, melhor, principalmente no caso das processadas. E arriscam recomendar o máximo de duas porções por semana.

Curtiu Esta Dica?