O nome pode assustar um pouco, mas aprender como fazer reeducação alimentar é a melhor opção para quem está na busca de mais saúde na sua vida. E o motivo é bem simples: as dietas, os medicamentos e as cirurgias, chegam e passam, mas a reeducação é algo para toda a vida!

A mesma não é milagrosa ou instantânea, leva tempo e é necessário ter bastante comprometimento e empenho, para que seja efetivo e que consiga se reeducar.

Nunca se falou tanto em alimentação adequada, entretanto nunca teve tantas pessoas com problemas nutricionais, principalmente transtornos alimentares devido à busca pelo corpo perfeito para se enquadrar em um padrão.

E também, doenças crônicas não transmissíveis, como a diabetes mellitus e a hipertensão arterial, onde um dos principais fatores é a má alimentação.

Aquele resumo esperto

Ao longo do post, você irá aprender como escolher corretamente os alimentos para uma reeducação alimentar efetiva.

Essa é a dica-chave. Por que? A partir do momento que você passa a entender de maneira simples quais são aqueles alimentos que deve dar prioridade no momento das compras, o processo será feito com maior naturalidade.

Ao pensar em reeducação alimentar, não é difícil de nos vir à cabeça dietas mirabolantes que fazem com que passemos fome. Mas com a lista de alimentos abaixo, que é a nossa dica base para uma alimentação mais saudável, você com certeza não passará por isso. Além do que, estará investindo não só na sua perda de peso, como também na sua saúde.

Veja:

Os alimentos mais indicados são legumes e verduras, frutas, raízes e tubérculos. Além disso, farinhas e massas frescas também são apropriadas, assim como o arroz com feição, os sucos naturais, cereais e muitas fibras!

E, ao incluir muitas fibras, também é preciso beber muita água, para que o objetivo seja atingido: de melhor funcionamento do intestino.

Além disso, não é só a questão alimentação que entra nesta reeducação. Alguns outros fatores também são levados em consideração. Como os fatores emocionais. Observar se está havendo uma escolha dos alimentos com base no que estamos sentindo, também será levado em consideração pelo nutricionista na hora de te orientar durante este processo.

Online

Por isso, sempre indicamos um programa de emagrecimento que é líder de satisfação entre nossos leitores. Um passo a passo para alcançar a perda de peso, sem precisar necessariamente fazer dietas.

E com o acompanhamento de um médico que se especializou no assunto.

Conheça melhor e garanta sua inscrição:

Como Emagrecer Comendo de Tudo

Agora, vamos ao post. Que vale muito a pena ler até o final. Você vai ver ainda outras listas de categorias de alimentos que você deve evitar.

E uma lista ainda maior de alimentos nos quais deve apostar!

O que é reeducação alimentar?

Este é um processo de melhorar a sua alimentação habitual, equilibrar os alimentos e nutrientes consumidos (calorias, carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais), reduzir hábitos inadequados da alimentação, e realizar algumas trocas que auxiliam você a reeducar o seu organismo pouco a pouco.

Trata-se de mudar a sua relação com a alimentação, e não de restrições. Tudo pode ser permitido, mas nas quantidades, momentos e formas adequadas, ou seja, comer de forma moderada e consciente.

Ao contrário de dietas que prometem emagrecimento rápido, e que restringem alimentação, como algumas dietas da moda, que levam nomes como “dieta da lua”, “do tipo sanguíneo”, “Dukan”, entre outras… A reeducação alimentar é uma forma de melhorar a alimentação e trazer mais saúde, de forma gradual e sem sofrimento.

Ao se trabalhar a reeducação alimentar, é importante também analisar a sua relação com a alimentação.

Nutrição comportamental

Reeducação alimentar
  • Será que você consome alimentos com alta densidade calórica, como forma de compensação ou comemoração?
  • Você consome uma barra de chocolate inteira, porque merece depois de uma difícil?
  • Teve um dia maravilhoso no trabalho, e consome um pote inteiro para comemorar?

A alimentação é utilizada, muitas vezes, como um substituto para o equilíbrio e alívio emocional. Isso acontece, porque desde de a infância, associados a alimentação como conforto, a sopa da vó quando ficava doente, o sorvete por ter se comportado ou não comer determinado alimento preferido por não ter se comportado.

Devido a isso, a nutrição comportamental está associada diretamente com a reeducação alimentar, pois associa a alimentação com os aspectos fisiológicos e emocionais. Ou seja, a sua relação emocional e mental com a comida.

No momento em que estamos nos alimentando, não pensamos apenas nos nutrientes, e nem deve ser assim. A alimentação envolve aspectos simbólicos, sociais, culturais e afetivos, que devem ser considerados na hora de se alimentar.

Muitas vezes as emoções estão sendo escondidas, ou trabalhadas de forma inadequada. Sendo necessário uma visão mais ampla, onde devem ser trabalhadas essas questões.

Através da reeducação alimentar, passamos a perceber melhor o que estamos comendo, em quais momentos e quantas quantidades, passamos então a nos perceber melhor, e evitar momentos de descontrole na comida, devido ao desequilíbrio emocional.

Emagrecimento

Esta é uma excelente forma de emagrecer e manter o peso corporal que lhe agrada. Através dela, é possível comer na medida certa, quantidade e forma de preparo adequadas, sem precisar recorrer a remédios e cirurgias, conseguindo resultados duradouros.

Entretanto, não traz efeitos milagrosos e instantâneos. Como se trata se uma mudança da alimentação e de hábitos, é um processo lento e demorado.

O consumo de medicamentos, e a realização de cirurgia, podem ser uma alternativa em determinados grupos de pessoas, quando indicado corretamente por um médico, acompanhado por uma equipe multidisciplinar.

Entretanto, para que ele tenha resultado adequado, é necessário alteração da alimentação também.

Várias pessoas observam os medicamentos e as cirurgias como o milagre, por serem processos relativamente rápidos. Entretanto, a maioria delas acabam não mudando junto a sua alimentação e seus hábitos. Com isso, quando param de consumir o medicamento, acabam retornando o peso anterior, ou ganhando até mais.

E em relação às cirurgias, principalmente a bariátrica, caso a pessoa não mude os seus hábitos, principalmente alimentares, retornando às rotinas que realizavam anteriormente, a cirurgia, acaba apresentando resultado bem similar ao dos medicamentos.

Como começar?

O início da reeducação alimentar é lento, precisa de um começo gradual, conforme você consegue mudar os seus hábitos alimentares e adequar a sua rotina diária.

Primeiro, é preciso identificar quais são as principais mudanças que são necessárias na sua alimentação para conseguir torná-la mais saudável. O seu organismo precisa se adaptar ao novo estilo de alimentação, mas também precisa receber a quantidade de nutrientes necessários para o bom funcionamento do organismo.

Não adianta nada reduzir a quantidade de alimentos ingeridos, se não adequar também a qualidade da alimentação, podendo com isso gerar diversas deficiências de nutrientes. Precisando sempre haver um equilíbrio entre a quantidade e qualidade.

Algumas atitudes necessárias para começar:

Siga estas diquinhas básicas. E dê um pontapé inicial nesta mudança de atitude que você resolveu ter, e que te parabenizamos muito por isso!

  • Introduzir ou aumentar a quantidade de porções de frutas, verduras e legumes consumidas ao longo do dia;
  • Consumir cerca de 2 litros de água por dia;
  • Aumentar a ingestão de alimentos fontes de fibras, como cereais integrais e farelos;
  • Preferir opções cozidas, assadas ou grelhadas, evitando assim o consumo de alimentos fritos ou com alta quantidade de óleo;
  • Preferir cortes de carnes com menor porcentagem de gordura;
  • Se for consumir alimentos industrializados, preferir opções sem conservantes, corantes e aromatizantes, ou pelo menos com a menor quantidade deles;
  • Não ficar beliscando durante o dia. É sempre importante parar, e realizar as refeições com calma;
  • Mastigar bem os alimentos, aumentando o tempo da realização da refeição. Isso ajuda a aumentar a saciedade e a melhorar a digestão;
  • Realizar as refeições em lugares calmos, com atenção total na alimentação.

Para conseguir se reeducar em relação a sua alimentação, conseguir identificar os pontos de erros e dificuldades, é necessário o auxílio de um nutricionista.

O nutricionista é um profissional da área da saúde que estuda os alimentos, e o efeito que eles produzem em nosso organismo. Ele ajuda a melhorar a sua alimentação, e mudanças de hábito, considerando a sua rotina e os seus desejos.

E pode ser necessário também o auxílio de um psicólogo, principalmente se as dificuldades estão relacionadas a questões emocionais.

O que pode ser consumido?

Como a reeducação alimentar é algo para a vida, todos os alimentos podem ser permitidos, mas é preciso aprender a melhor forma de se alimentar, escolhendo opções mais saudáveis.

alimentos in natura

A melhor opção são os alimentos in natura, ou seja, alimentos naturais que não passaram por processos de industrialização. A tradicional comida caseira.

É importante o consumo de todos os grupos alimentares, mas principalmente de:

  • Frutas;
  • Verduras;
  • Legumes;
  • Leguminosas (feijão, soja, grão de bico);
  • Alimentos de origem animal;
  • Oleaginosas (castanha, nozes, amêndoa).

Todos os grupos são fontes de nutrientes que ajudam no bom funcionamento de todo o organismo.

No momento de escolher as frutas, verduras e legumes a serem compradas e consumidas, deve sempre levar em consideração e dar preferência para as que estão na safra. Trata-se da melhor época de disponibilidade do alimento no mercado. Assim, temos os melhores preços e melhor oferta de vitaminas e minerais.

Como por exemplo o morango: a safra é entre os meses de maio e outubro. Época em que os morangos são mais fácil de serem encontrados, estão mais doces, com menor custo e mais ricos em vitaminas e minerais.

Industrializados

Como estamos sempre dando dicas para emagrecer que sejam prática, e não aquelas dicas malucas e mirabolantes que podem ser encontradas por aí na internet. E como também levamos sempre em conta o momento atual, e o seu bem estar. Não seremos hipócritas de dar dicas apenas de alimentos in natura, porque sabemos como pode ser difícil para algumas pessoas. É claro que, se você puder apostar apenas neste tipo de alimentos, maravilha, faça isso.

Mas sabemos que nem sempre é possível consumir apenas alimentos in natura. Atualmente devido ao trabalho, estudo, trânsito e demais atividades do dia a dia, o tempo que temos para nos dedicar ao preparo das refeições é reduzido.

Devido a isso, precisamos usar o bom da indústria de alimentos ao nosso favor. Existem ótimas opções de alimentos saudáveis e práticos, que podemos utilizar na nossa rotina. Mas ao se comprar alimentos industrializados, precisamos dar muita atenção aos rótulos.

Lista de ingredientes

Indica quais ingredientes possuem naquele produto. A lista de ingredientes segue uma ordem decrescente, em relação ás quantidades. Ou seja, o primeiro ingrediente está em maior quantidade, e o último ingrediente está em menor quantidade naquele produto.

Porção

O tamanho da porção é padronizado para facilitar a comparação com outros produtos semelhantes e marcas.

É identificado em peso (5 gramas, 30 gramas) e em medida caseira (1 fatia, 2 unidades, 1 embalagem).

A porção influência nos valores nutricionais do produto, ou seja, na quantidade de calorias, carboidrato, proteína, fibra, sódio, entre outros.

Categorias alimentares

Diferença entre os alimentos in natura, os processados e os ultraprocessados. Eles podem ser classificados de acordo com a quantidade de etapas de processos pelos quais ele passou. Quanto menor a quantidade de processos, mais saudável ele será.

Veja no vídeo abaixo, uma explicação bem prática do que isso significa. E que vai tornar ainda mais fácil a sua escolha pelos alimentos que irão compor a sua dieta.

In natura

Os alimentos in natura, ou minimamente processados, deveriam ser a base da nossa alimentação, ou seja, os alimentos que deveríamos consumir em maior quantidade.

Quando consumimos esses grupos de alimentos de forma bem variada, temos a base de uma alimentação balanceada. Além disso, também é socialmente e ambientalmente sustentável.

Os alimentos in natura, ou minimamente processados, são obtidos através das plantas ou dos animais. E são adquiridos para o consumo, sem que tenham sofrido nenhuma adição pela indústria de alimentos.

Alimentos que não sofrem nenhum processo ou adição, são encontrados para comprar da forma como ele veio da natureza. Não passam por processos como limpeza, remoção de partes não comestíveis, embalagem e refrigeração.

Por isso, os alimentos in natura são os mais indicados para uma alimentação saudável de verdade. São aqueles obtidos diretamente através de plantas e animais, e que não sofreram qualquer alteração após terem sido extraídos da natureza.

Mesmo neste grupo, alguns alimentos passam por processos mínimos, como:

  • Limpeza;
  • Secagem;
  • Remoção de partes não comestíveis;
  • Fermentação;
  • Pasteurização, entre outros.

Geralmente, são aqueles que não precisam de embalagem, como:

  • Legumes e verduras;
  • Frutas;
  • Batatas e aipim, entre outras raízes e tubérculos;
  • Farinhas;
  • Massas frescas;
  • Arroz;
  • Feijões, lentilhas e outras leguminosas;
  • Sucos naturais;
  • Sementes oleagenosas;
  • Frutas secas;
  • Cereais como aveia, quinoa, amaranto;
  • Carnes, peixes, ovos;
  • Laticínios, como leites, iogurtes naturais sem adição de açúcar;
  • Café, chás, especiarias e ervas.

Devemos sempre priorizar esta categoria de alimentos. Ela deve ser a base da nossa alimentação.

Processados

Nesta segunda categoria, incluem-se alimentos in natura, que receberam a adição de sal, açúcar, ou óleos. Este procedimento é feito geralmente para que haja uma maior durabilidade destas comidas.

Os alimentos processados são um grupo que precisamos limitar na nossa alimentação. Trata-se da adição de sal, açúcar, óleo ou vinagre em alimentos in natura ou minimamente processados, mas sempre devem apresentar 4 ou menos ingredientes na sua composição.

Os processos desses alimentos são cozimento, secagem, fermentação, acondicionamento dos alimentos em latas ou vidros e uso de métodos de preservação (salga, salmoura, cura e defumação).

Alimentos que fazem parte desse grupo são:

  • Conservas de alimentos inteiros preservados em salmoura ou em solução de sal e vinagre;
  • Frutas inteiras preservadas em açúcar;
  • Peixes conservados em sal ou óleo;
  • Queijos feitos de leite e sal (e micro-organismos usados na fermentação do leite);
  • E pães (feitos com farinha, água, sal e leveduras usadas para a fermentação da farinha).
Ultraprocessados

Este terceiro grupo, estão alimentos fabricados geralmente por indústrias de grande porte, onde eles passam por diversas etapas de processamento, onde são adicionadas substâncias de uso estritamente comercial, com nomes bem estranhos. São aditivos que tem como objetivo realçar a cor, o aroma, os sabor e até a textura dos alimentos.

Tudo isso os torna extremamente atraentes, porém, menos saudáveis 😉

  • Os biscoitos industrializados;
  • As “inocentes” barrinhas de cereal;
  • Embutidos, como a salsicha;
  • Sucos artificiais;
  • Salgadinhos;
  • Temperos prontos;
  • Refrigerantes;
  • Alimentos congelados, como pizzas, nuggets, lasanhas;
  • Iogurtes saborizados;
  • Macarrão instantâneo, entre outros.
Minimamente processados

São alimentos in natura, que passam por processos de limpeza, remoção de partes não comestíveis e refrigeração, ou que apresentem apenas a adição de água na sua composição.

Como por exemplo: o arroz, feijão, leite e carne. Pois são encontrados para compra após os processos de secagem, embalagem, pasteurização, refrigeração ou congelamento.

Já os grãos como o milho e o trigo, e raízes como a mandioca, podem ser encontrados moídos na forma de farinhas. Ou também como alguns macarrões, que são compostos apenas pela farinha e água.

Os processos que transformam os alimentos in natura em minimamente processados são:

  • Limpeza;
  • Remoção de partes não comestíveis;
  • Secagem;
  • Embalagem;
  • Pasteurização;
  • Resfriamento;
  • Congelamento;
  • Moagem;
  • Fermentação.

Em todos esses processos, não há adição de sal, açúcar, óleo, gordura ou outras substâncias. Sendo apenas o alimento sozinho, ou com a adição de água.

Os alimentos in natura têm curto prazo de validade. Devido a isso, são realizados os processos para transformar em minimamente processados antes da compra. Esses processos aumentam o tempo de validade, preserva-os, e torna-os próprios para o armazenamento.

Algumas vezes as técnicas de processamento mínimo, como o excesso de polimento dos grãos, podem diminuir a quantidade de nutrientes desses alimentos. Devido a isso, mesmo que o alimento seja minimamente processado, é recomendado sempre o consumo deles com menor manipulação possível, nas formas integrais, principalmente farinhas e açúcares.

Alimentos ultraprocessados

O grupo dos alimentos ultraprocessados devem ser evitados. Mas se for consumi-los, que seja em pequenas quantidades. E olhando sempre nos rótulos os ingredientes presentes na sua composição, e seus valores nutricionais. Assim, é possível realizar escolhas mais inteligentes e saudáveis.

Normalmente são alimentos nutricionalmente desbalanceados, e devido a sua praticidade, acabam fazendo parte do dia a dia da alimentação das pessoas, substituindo os alimentos in natura ou minimamente processados por estes que são muitas vezes mais fáceis de serem encontrados e consumidos.

A fabricação de alimentos ultraprocessados é feita em geral por indústrias de grande porte. Envolvem diversas etapas e técnicas de processamento. Além de muitos ingredientes, incluindo sal, açúcar, óleos e gorduras e substâncias de uso exclusivamente industrial.

Para que se consiga distinguir os alimentos ultraprocessados de alimentos processados, é preciso olhar na lista de ingredientes presente nos rótulos dos alimentos. Se o produto apresenta 5 ou mais ingredientes, e se possui ingredientes pouco conhecidos ou não usados nas preparações culinárias, é um indicativo que esse alimento é ultraprocessado.

Os ingredientes que podem estar presentes são:

  • Gordura vegetal hidrogenada;
  • Óleos interesterificados;
  • Xarope de frutose;
  • Isolados proteicos;
  • Agentes de massa;
  • Espessantes;
  • Emulsificantes;
  • Corantes;
  • Aromatizantes;
  • Realçadores de sabor;
  • E vários outros tipos de aditivos.

Vários desses ingredientes não trazem benefício nenhum para a alimentação. São apenas para aumentar a durabilidade e palatabilidade dos produtos. Além disso, vários desses produtos podem causar prejuízo para o bom funcionamento do organismo.

Sendo assim, esses alimentos devem ser evitados. E no momento da sua escolha, deve-se ler sempre os ingredientes presentes no rótulo. E optar por produtos com a menor quantidade de ingredientes estranhos.

Como assim estranhos? Preferimos colocar desta forma, para não te confundir demais. Mas os ingredientes citados logo acima são exemplos disso. É realmente muito fácil bater o olho num rótulo e identificar os ingredientes “mais estranhos” dos “mais naturais”…

Indo às compras

Uma das dificuldades no momento da reeducação alimentar acontece na hora de ir às compras. São tantas opções, marcas diferentes, e alimentos apetitosos, que na hora de escolher fica difícil…

Mas como estamos aqui para auxiliar em todo o seu processo, separamos algumas dicas bem práticas para auxiliar a fazer as compras com mais consciência. E não sair comprando todas as opções disponíveis do mercado:

  1. Planejar as refeições que serão preparadas nos próximos dias;
  2. Realizar uma lista de compras com base nos alimentos necessários. Conforme o planejamento das refeições dos próximos dias;
  3. Comprar apenas a quantidade de alimentos necessários, até quando planejar realizar a próxima compra;
  4. Não ir às compras com fome!!! Estudos mostram que, ao ir ao mercado realizar as compras com fome, uma pessoa apresenta maior tendência a comprar alimentos com calorias vazias, ou seja, sem valor nutricional agregado;
  5. Comparar sempre os rótulos dos produtos, vários produtos semelhantes podem apresentar composições e valores nutricionais bem diferentes;
  6. Ir ao mercado com tempo! Ao tentar realizar uma passagem rápida ao mercado pode gerar compras no impulso.

Planeje as refeições

O planejamento das refeições é um dos passos mais importantes quando se escolheu ter uma alimentação mais saudável. Além de facilitar nas compras, evita o consumo de alimentos por impulso.

Planejar todas as refeições do dia, deixá-las preparadas ou pré preparadas, ajuda demais com que você consiga comer de forma equilibrada e saudável mesmo fora de casa.

É sempre importante ao sair de casa, quando possível, levar os lanches que irá consumir ao longo do dia, mesmo que seja uma saída rápida. Isso ajuda a evitar o consumo de alimentos desequilibrados nutricionalmente, que são a maioria dos encontrados na rua.

Comer a cada 3 horas?

Comer a cada 3 horas pode ser sim uma alternativa para muitas pessoas no início da reeducação alimentar. Isso ajuda a organizar a rotina alimentar, e a se planejar.

É possível ainda, com isso, conseguir ingerir pequenas quantidades de alimentos, que gerarão energia ao longo do dia. Mas não necessariamente é a forma correta para todas as pessoas.

É preciso avaliar cada pessoa individualmente, sua rotina e seus hábitos alimentares, para que seja possível analisar como é a melhor forma para se alimentar. Devendo sempre respeitar a sensação de fome e saciedade.

Hidratação

Beber dois litros de água por dia! É isso que a gente escuta sempre!!!

A hidratação é algo extremamente benéfico para o nosso organismo. Ajuda no bom funcionamento de todo o corpo, mas principalmente do intestino e do rim.

O consumo ideal de água é em torno de 2 litros por dia. E sim, precisa ser de água, não de suco, refrigerante, isotônicos, entre outros. Por isso: não 2 litros de líquidos por dia, mas 2 litros de ÁGUA rs

Várias pessoas possuem dificuldade de atingir essa quantidade de consumo diariamente. Muitas vezes, por não sentirem sede e acabarem esquecendo ao longo do dia. Existem formas de ajudar a atingir esta meta diária. Atualmente existem aplicativos para lembrá-lo desse beber água, e para ajudar a contabilizar o quanto já conseguiu beber. É a tecnologia nos auxiliando a sermos mais saudáveis.

Mas há sim uma exceção e uma dica bacana:

Você pode beber também a água aromatizada. Ela tem um sabor agradável, e muitas vezes uma maior aceitação entre as pessoas que tem dificuldade em ingerir grandes quantidades de água, ou até mesmo para aquelas que não gostam.

Como fazer:

Você pode adicionar pedaços de frutas (laranja, limão, abacaxi), hortelã, pedaços ou raspas de gengibre na sua garrafinha com água.

Com a melhora da alimentação e o aumento do consumo de fibras, torna-se ainda mais importante o consumo adequado de água. Se você passa a consumir mais fibras, mas não se hidrata de forma adequada, isso pode, ao invés de melhorar, piorar o funcionamento intestinal.

Atividade física

A prática de atividade física é recomendada para todos. Seja lá qual for o seu objetivo, se praticar exercícios físicos diariamente, sua saúde agradece. E a sua qualidade de vida também. E claro que, também, a sua meta de emagrecimento se tornará mais próxima deste jeito.

É sempre importante associar atividade física a uma dieta e à reeducação alimentar também.

Alimentação e exercícios se complementam maravilhosamente bem para quem quer saber como emagrecer ou como ser mais saudável.

Além de ajudar na perda ou manutenção do peso, ajuda fortalecer os músculos e aumenta a disposição.

Mas o principal benefício que está associado com a alimentação, é a redução da ansiedade e do estresse. Muitas pessoas não conseguem fazer a reeducação alimentar e relatam que é devido à ansiedade e ao estresse do dia a dia. Principalmente devido à vontade incontrolável de comer doces.

Ao nos exercitarmos, nosso corpo produz maior quantidade de endorfina, e melhora os níveis de serotonina e noradrenalina, que estão ligados diretamente à redução da ansiedade e do estresse.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda 150 minutos semanais de atividade física leve ou moderada (cerca de 20 minutos por dia) ou pelo menos 75 minutos de atividade física intensa (cerca de 10 minutos por dia).

Na prática de atividade física regular, é importante alinhar a alimentação no pré e pós treino, adequando assim alimentos para formação de energia e de recuperação muscular. O profissional nutricionista, principalmente o especializado em nutrição esportiva dependendo do tipo de atividade física escolhida, pode auxiliar a montar a alimentação desses períodos.

Benefícios

Os benefícios que a reeducação alimentar traz, são vários:

  • Pode melhorar a disposição;
  • Perda de peso;
  • Prover uma maior qualidade do sono;
  • Melhorar o funcionamento intestinal;
  • Garantir cabelos menos quebradiços e mais brilhantes, além de uma pele mais macia e viçosa;
  • Controle de algumas doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes mellitus, hipertensão arterial, entre outros.

Não é nada fácil resolver fazer mudanças em nossas rotinas. Ainda mais levando em consideração que, no caso de algumas pessoas, a reeducação alimentar traz mudanças realmente drásticas. E por isso te parabenizamos tanto por ter tomado esta atitude tão desafiadora.

E estamos dispostos a te ajudar ainda mais. São centenas de posts aqui no blog, sem contar os programas de emagrecimentos, todos elaborados por profissionais, entre os quais você escolher, e fazer a sua inscrição. Inclusive no início do post, durante o resumo, demos uma ótima indicação de programa para fazer de casa, e com acompanhamento médico.

Temos certeza que este post te ajudou a ter uma clareza ainda maior do que se trata a reeducação alimentar. Você viu que não tem muito segredo, não é? Mas é sempre importante, e salientamos, a necessidade de buscar um acompanhamento médico.

E seguindo as dicas aqui, vai ver que não é nada muito complicado. Comece aos poucos, sem se cobrar demais. Desse jeito a mudança acontece de forma mais fácil e gostosa, e os resultados virão!