A perda de peso, no contexto da medicina, saúde ou forma física, refere-se a uma redução da massa corporal total, devido a uma perda de peso média de fluido, de gordura corporal ou tecido adiposo e/ou massa magra – ou seja, os depósitos minerais nos ossos, músculos, tendões, e outros tecidos conjuntivos.

A perda de peso pode ocorrer involuntariamente devido a uma doença subjacente, ou surgir a partir de um esforço consciente para melhorar um estado de excesso de peso ou obesidade real ou percebida.

A perda de peso “inexplicada”, é aquela que não é causada pela redução da ingestão calórica, ou dos exercícios. Este tipo de perda de peso é chamado de caquexia, e pode ser um sintoma de uma doença grave.

Já a perda de peso intencional é comumente referida como emagrecimento, e tem como objetivo a melhora da saúde ou aparência física.

Tipos de Perda de Peso

perder pesoPerda de Peso Intencional

A perda de peso intencional é a perda de massa corporal total, como resultado dos esforços para melhorar a saúde e a estética, ou até mesmo para mudar a aparência através do emagrecimento.

A perda de peso em indivíduos que estão com sobrepeso ou obesidade pode reduzir os riscos de doenças, aumentar a aptidão, retardar o aparecimento de diabetes, reduzir a dor e aumentar o movimento em pessoas com osteoartrite do joelho, dentre tantos outros benefícios.

[Ler Também: Obesidade e os Problemas de Saúde]

A perda de peso ocorre quando o corpo gasta mais energia e trabalha mais o metabolismo do que a quantidade de alimento ou outros nutrientes que ele absorve. Neste caso, as reservas armazenadas de gordura ou músculo gradualmente levam à perda de peso.

Não é incomum que algumas pessoas que estão em seu peso corporal ideal busquem por uma perda de peso adicional, com o objetivo de melhorar o desempenho atlético ou a aparência.

De acordo com os EUA Food and Drug Administration (FDA), os indivíduos saudáveis que procuram manter o seu peso devem consumir 2.000 calorias por dia.

De acordo com as Dietary Guidelines for Americans, aqueles que conseguem e mantém um peso saudável devem consumir apenas calorias suficientes para satisfazer as suas necessidades, e ser fisicamente ativos.

Dietas de baixas calorias são também referidas como dietas percentuais equilibradas. Devido aos seus efeitos prejudiciais mínimos, estes tipos de dietas devem ser recomendadas por nutricionistas.

Além de restringir a ingestão de calorias, uma dieta equilibrada também regula o consumo de macronutrientes. A partir do número total de calorias diárias atribuídas, recomenda-se que 55% sejam provenientes de hidratos de carbono, 15% de proteína e 30% de gorduras, com não mais do que 10% do total de gorduras provenientes de formas saturadas. Por exemplo: uma dieta de 1200 calorias recomendadas, deveria fornecer cerca de 660 calorias de hidratos de carbono, 180 de proteínas, 360 de gordura.

Alguns estudos sugerem que o aumento do consumo de proteína pode ajudar a dar maior sensação de saciedade.

[Ler também: Alimentos Que Saciam Indicados Por Nutróloga]

A restrição calórica desta forma tem muitos benefícios a longo prazo. Após atingir o peso corporal desejado, as calorias consumidas por dia podem ser aumentadas gradualmente, sem exceder 2.000 calorias líquidas (ou seja, calorias derivadas, subtraindo calorias queimadas por atividade física).

Combinado com o aumento da atividade física, dietas de baixas calorias são mais eficazes a longo prazo. Ao contrário de dietas radicais, capazes de obter resultados a curto prazo, porém com o risco de sofrer com o efeito sanfona.

O ganho de peso tem sido associado com ao consumo excessivo de gorduras, açúcares, carboidratos em geral, e consumo de álcool. Depressão, estresse ou tédio também podem contribuir para o aumento de peso, e, nestes casos, os indivíduos são aconselhados a procurar ajuda médica.

Um estudo de 2010 descobriu que pessoas que seguiam uma dieta e tinham uma noite inteira de sono, perdiam mais do que o dobro de gordura do que aqueles que dormiam mal.

A maioria das pessoas que seguem dietas e não uma reeducação alimentar, tendem a recuperar o peso a longo prazo.

[Ler Também: Reeducação Alimentar X Dieta]

Técnicas de Perda de Peso Terapêuticas

Técnicas de perda de peso.

Os métodos de emagrecimento menos intrusivos, e aqueles que são mais frequentemente recomendados, são adaptações de padrões alimentares, e o aumento da atividade física, geralmente na forma de exercício.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), recomenda uma combinação da redução de alimentos processados ricos em gorduras saturadas, açúcar, sal e conteúdo calórico da dieta com o aumento da prática de atividade física.

Um aumento na ingestão de fibras também é recomendado para regular os movimentos do intestino.

Outros métodos de perda de peso incluem a utilização de medicamentos e suplementos que diminuem o apetite, bloqueiam a absorção de gordura, ou reduzem o volume do estômago.

A cirurgia bariátrica pode ser indicada em casos de obesidade grave. Dois procedimentos cirúrgicos bariátricos comuns são o bypass gástrico e de banda gástrica. Ambos podem ser eficazes em limitar o consumo de energia do alimento, reduzindo o tamanho do estômago, mas como com qualquer procedimento cirúrgico ambos vêm com seus próprios riscos, que devem ser examinados em consulta com um médico.

Banda gástrica Virtual usa hipnose para fazer o cérebro pensar que o estômago está menor do que realmente é e, portanto, diminui a quantidade de alimento ingerido. Este método é complementado com tratamento psicológico para a gestão de ansiedade e com hypnopedia.

Em 1996, um estudo descobriu que a terapia cognitivo-comportamental (TCC) foi mais eficaz para a redução de peso se reforçado com a hipnose de Aceitação e Compromisso Terapia ACT.

Dietas Radicais

Uma dieta radical é a restrição voluntária da ingestão alimentar (exceto água), por mais de 12 horas de vigília.

O resultado desejado é para o corpo queimar gordura para obter energia e, assim, perder uma quantidade significativa de peso em um curto espaço de tempo.

Dietas muito restritivas podem ser perigosas à saúde, e não são recomendadas pelos médicos.

Não há alimentos ou comprimidos que magicamente queimam gordura, e nem alimentos que irão alterar o seu código genético.

Indústria da Perda de Peso

Há um mercado importante de produtos que prometem a perda de peso fácil, mais rápido, mais barato e mais confiáveis, ou menos doloroso.

[Conhecer: Programas de Emagrecimento Online]

Estes incluem CDs, cremes, loções, pílulas, anéis e brincos, envolvimentos corporais, cintos corporais e outros materiais, centros de fitness, treinadores pessoais, grupos de perda de peso, e de alimentos e suplementos.

Em 2008, entre US$ 33 bilhões e 55.000 milhões de dólares americanos foram gastos anualmente nos EUA com produtos e serviços de perda de peso, incluindo procedimentos médicos e farmacêuticos.

Mais de 1,6 bilhões dólares americanos por ano, foram gastos em suplementos de emagrecimento.

Perda de Peso Não Intencional

A perda de peso não intencional pode resultar da perda de gorduras corporais, perda de fluidos corporais, atrofia muscular, ou ainda uma combinação destes.

É considerada geralmente como um problema médico quando ao menos 10% do peso corporal de uma pessoa foi perdido em seis meses, ou 5% no último mês.

Outro critério utilizado para avaliar a excessiva perda de peso é o índice de massa corporal (IMC). Porém, mesmo uma quantidade menor de perda de peso pode ser um problema sério em uma pessoa idosa frágil.

A perda de peso involuntária pode ocorrer devido a uma dieta nutritiva inadequada em relação às necessidades de energia de uma pessoa (geralmente chamada de desnutrição).

Outros fatores como certas doenças, mudanças no metabolismo, alterações hormonais, medicamentos ou outros tratamentos, mudanças na dieta, ou redução do apetite associado a uma doença ou tratamento, também podem causar a perda de peso não intencional.

A má utilização de nutrientes também pode levar à perda de peso, e pode ser causada por fístulas no trato gastrointestinal, diarréia, interação droga-nutriente, e atrofia muscular.

Outra causa da perda de peso não intencional pode ocorrer de uma condição chamada caxequia, que é diferida da fome em parte porque envolve uma resposta inflamatória sistêmica. Em estágios avançados da doença progressiva, o metabolismo pode mudar, mesmo que ele esteja recebendo uma nutrição adequada. Isto leva a uma condição chamada síndrome da caquexia anorexia (ACS) e nutrição ou suplementação adicional é improvável para ajudar. Os sintomas da perda de peso dos ACS incluem a perda de peso severa do músculo ao invés de gordura corporal, perda de apetite e sensação de saciedade depois de comer pequenas ou insuficientes quantidades, náuseas, anemia, fraqueza e fadiga.

A perda de peso severa, não havendo a necessidade, pode reduzir a qualidade de vida, prejudicar a eficácia ou a recuperação do tratamento, piorar processos de doenças, e ser um fator de risco para altas taxas de mortalidade. A desnutrição pode afetar todas as funções do corpo humano, a partir das células para as demais funções, incluindo a resposta imune, cicatrização de feridas, entre outros.

Alguns medicamentos, assim como as condições sociais também podem acarretar na perda de peso não intencional. À tais condições sociais podemos relacionar a pobreza, o isolamento social, a incapacidade de obter ou preparar os alimentos preferidos, etc.

Causas da Perda de Peso Não Intencional

Ingestão Prejudicada

A falta de apetite pode ser um sintoma direto de uma doença, ou uma doença pode tornar a alimentação dolorosa ou induzir à náuseas.

A doença pode também causar aversão ao alimento.

Digestão e / ou Absorção Prejudicada

Pode resultar de condições que afetam o sistema digestivo.

Excesso de Perda de Nutrientes

Este tipo de perda pode ocorrer devido a sintomas como vomitos ou diarréia, bem como fístulas e estomas.

Perda de Peso Relacionadas a Doenças Específicas

A perda de peso não intencional pode estar relacionada a algumas doenças como:

  • Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC);
  • Câncer;
  • HIV;
  • Doenças Gastrointestinais;
  • Doença celíaca;
  • Úlcera péptica;
  • Doença inflamatória intestinal;
  • Pancreatite;
  • Gastrite;
  • Diarréia;
  • Doença renal;
  • Entre outras.

Fonte: Wikipedia