A Obesidade no Brasil já atinge mais da metade da população, segundo um estudo publicado no Portal Brasil, levando-se em consideração dados oficiais apontados a seguir.

Você também vai se informar a respeito das medidas para prevenção contra a obesidade tomadas pelo Ministério da Saúde.

Obesidade No Brasil

Obesidade-no-Brasil

Dados

Segundo levantamento do Ministério da Saúde, 51% da população brasileira está acima do peso, sendo que em 2006 o percentual era de 43%, 54% homens, e 48% mulheres.

Já os casos de obesidade no Brasil também aumentaram, e atinge 17% da população, sendo que em 2006 o índice era de 11%. E neste quesito a maioria são mulheres: 18% das mulheres sofrem com obesidade atualmente, e entre os homens o índice é de 16%.

Peso Ideal

IMC, Índice de Massa Corporal, é uma forma de conhecer o estado nutricional do indivíduo.

Calculando o IMC

A fórmula é essa: peso = a, altura = b, resultado = x.

X= a ÷ b²

Se uma pessoa possui 60 kg e 1,67 m de altura, o cálculo será este:

IMC = 60 ÷ 1,67²
IMC = 60 ÷ 2,78
IMC = 21,5

Resultados:
  • Se o resultado do IMC for inferior a 18,5, isso significa que você está abaixo do peso e corre riscos relacionados à depressão, artrite e problemas cardiovasculares, e também maior facilidade a quebrar ossos, sofrer acidentes, abortos e doenças pulmonares.
  • Caso o resultado esteja entre 19 e 24,9, então você está dentro do seu peso ideal.
  • Já resultados entre 25 e 29,9, o indicativo é de sobrepeso.
  • Acima de 30 já é avaliado como um caso de obesidade.

Alimentação

A obesidade pode sim estar relacionada a fatores genéticos, porém há uma importante influência significativa do sedentarismo e de padrões alimentares inadequados no aumento dos índices de obesidade no Brasil, onde boa parte da população tem negligenciado o consumo de frutas e hortaliças.

Apenas 22,7% da população ingerem a porção diária recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de cinco ou mais porções ao dia, sendo que o percentual aumenta conforme maior a idade.

O consumo excessivo de gordura saturada também é outra preocupação a ser observada, sendo que 31,5% da população não dispensa a carne gordurosa, e mais da metade (53,8%) consome leite integral regularmente, e isso sem contar os refrigerantes que são consumidos regularmente por 26% dos brasileiros ao menos cinco vezes por semana.

Outro fator levado em consideração no estudo foram os hábitos dos brasileiros conforme o sexo e a escolaridade.

Frutas e hortaliças estão presentes regularmente no cardápio de 45% dos brasileiros que concluíram, no mínimo, 12 anos de estudo. O percentual reduz para 29% entre as pessoas que estudaram até, no máximo, oito anos.

Com relação à gordura saturada, é mais comum também entre pessoas com menor grau de escolaridade, sendo que 32% comem carne com excesso de gordura, e 53% bebem leite integral regularmente. Já entre a população com maior escolaridade, os percentuais registrados estão abaixo da média nacional, sendo 27% e 47%, respectivamente.

Obesidade Infantil

Obesidade-infantil-no-Brasil

Uma em cada 3 crianças de 5 a 9 anos está acima do peso recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

A obesidade além de trazer problemas psicológicos, pode desencadear diabetes, depressão e até alguns tipos de câncer.

A idéia para solucionar o problema da obesidade infantil, e evitar problemas futuros, é a educação alimentar de pais para filhos.

As crianças ficam muito confusas e têm milhares de opções de besteiras para comer à sua volta, e em praticamente todos os lugares. Para eles, resistir aos doces, refrigerantes e salgadinhos é muito difícil, e por isso cabe aos pais controlar, e implementar uma alimentação saudável a partir de casa.

Combate à Obesidade no Brasil

A obesidade, como fator de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas, é um problema que vem crescendo a cada ano não só no país, mas no mundo, e deve ser combatido.

E nada melhor do que a prevenção. Por isso é importante ensinar desde cedo às crianças sobre a importância dos bons hábitos alimentares.

O Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT), lançado em 2011, é deter o crescimento da proporção de adultos brasileiros com excesso de peso ou com obesidade no Brasil.

O Ministério da Saúde criou a Linha de Cuidados da Atenção Básica, para proporcionar diferentes tipos de tratamentos e acompanhamentos ao usuário com sobrepeso e obesidade.

Tais tratamentos incluem também atendimento psicológico.

Pessoas avaliadas com o sobrepeso, ou seja, que tenha IMC igual ou superior a 25, podem ser encaminhadas a um polo da Academia da Saúde para realização de atividades físicas, e a um Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) para receber orientações para uma alimentação saudável e balanceada.

Atualmente, 77% dos 2.040 NASFs contam com nutricionistas; 88,6% com psicólogos e 50,4% com professores de educação física.

A evolução do tratamento deve ser acompanhada por uma das 39,2 mil Unidades Básicas de Saúde (UBS), presentes em todos os municípios brasileiros.

O Ministério da Saúde também tem investido em ações preventivas para evitar a obesidade em crianças e adolescentes, com o Programa Saúde na Escola (PSE), por exemplo, aberto também aos municípios, creches e pré-escolas.