Um estudo primário publicado no ano de 1999 revelou que a obesidade é um fator prognóstico para pancreatite aguda, e que as complicações sistêmicas foram encontradas em valores mais significantes em pessoas que apresentavam obesidade, se comparados a pessoas que não tinham a doença.

Mas você sabe o que é a pancreatite aguda e quais as suas complicações? Para tirar essas e outras dúvidas, falaremos sobre como essa doença evolui, quais seus sintomas, tratamentos, e porquê ela está diretamente relacionada ao aumento de peso.

O Que É A Pancreatite Aguda?

Pancreatite

Em medicina, o sufixo ite geralmente determina que aquela enfermidade é proveniente de uma inflamação. E a Pancreatite é na verdade, uma inflação do pâncreas que pode se dar de forma crônica ou aguda. No segundo caso, os cientistas descobriram que a enfermidade aparece mais em pessoas que estão acima do peso, assim como mostra mais complicações nesses pacientes.

Essa inflamação acontece de forma repentina, e pode durar alguns dias seguidos. Por isso é preciso tomar cuidado e recorrer ao tratamento certo para que as complicações não resultem em falência do órgão.

A pancreatite aguda acontece sempre que as enzimas que estão presentes no pâncreas acabam por se mover dentro dos ductos que existem no órgão. Com isso, elas acabam migrando para o intestino delgado, onde são as responsáveis por ajudar na digestão, assim que ativas. No entanto, essa migração acaba irritando algumas células do órgão e causando a inflamação que atinge o pâncreas.

Os pacientes passam então a sentir uma dor forte na região abdominal. Essa dor começa de forma repentina, como a dor da apendicite, fica localizada na região superior do abdômen e pode irradiar para as costas. Os médicos afirmam, inclusive, que essa é a segunda dor mais forte que uma pessoa pode sentir, por isso e comum que os pacientes sejam levados imediatamente para o hospital apresentando icterícia, vômitos e náuseas.

Para realizar o tratamento, o paciente fica internado por alguns dias, isso porque ainda não existe nenhum remédio que desinflame o órgão, mas é preciso deixar o pâncreas em repouso, e por isso o paciente recebe soro e também medicamentos para a dor. Normalmente, cerca de 80% deles, recebem bem o tratamento e acabam retornando para casa, mas em 20% dos casos, a doença evolui para enfermidades mais graves.

A Pancreatite Aguda E A Obesidade

Alguns estudos iniciais, chamados de meta-análises, revelaram que pacientes que estão muito acima do peso tem maiores chances de desenvolver essas doenças provenientes das complicações da pancreatite, além também de haver o aumento da mortalidade.

O estudo revelou que esses pacientes tem o risco da pancreatite aguda aumentada mais de 2 vezes em relação aos pacientes que não são obesos. Além disso, o risco de complicações é duas vezes maior, e o aumento de complicações sistêmicas são 3,8 vezes maiores. Já a mortalidade nos pacientes obesos é 2,1 vezes maior do que em pacientes que estão em seu peso ideal.

Entre essas complicações estão lesões no pulmão, fígado e também no pâncreas, e nesses casos o paciente entra em choque e acaba sendo internado na Unidade de Terapia Intensivo, a UTI. Os casos mais graves contam com a necrose da glândula, e o paciente tem que passar por uma cirurgia para tirar todo o material que já foi necrosado.

Essas complicações podem levar o paciente a morte se não forem tratadas de forma rápida por um médico especializado. Por isso, pacientes obesos que apresentam a doença, devem ser tratados com mais cuidado, não só por conta do risco de evolução, mas também porque esses pacientes já costumam ter outras doenças relacionadas à obesidade, como diabetes, pressão alta, entre outros.